O ambiente de trabalho é um local onde pessoas de diferentes origens, personalidades e pontos de vista se reúnem por objetivos comuns.

O estudo “The Price of Incivility”, publicado na Harvard Business Review mostra que trabalhar com alguém “difícil” reduz o desempenho, a criatividade e a inovação. Muitas vezes, a dificuldade das relações existe por conta de pessoas que não conseguem discutir ou debater um tema. 

Mas discordar de forma construtiva é fundamental para o crescimento pessoal e para o desenvolvimento de equipes eficazes. 

Por que é tão importante haver discordância no ambiente de trabalho?

Estimula a inovação

A discordância está associada à criatividade e à inovação. Quando os colaboradores se sentem à vontade para expressar opiniões divergentes, isso leva a diferentes ideias e abordagens para resolver problemas. A inovação muitas vezes surge da tensão criativa entre diferentes pontos de vista. 

Tomada de decisão

Quando as pessoas discordam de forma construtiva, as decisões tomadas tendem a ser mais bem fundamentadas. A diversidade de perspectivas permite uma análise mais completa de problemas e alternativas e ajuda a evitar resoluções apressadas ou baseadas em falsas suposições. 

Aprendizado e crescimento 

Quando estamos dispostos a ouvir e considerar pontos de vista diferentes, abrimos a porta para aprender com os outros. A discordância nos desafia a questionar nossas suposições e a expandir nossos horizontes.

Relacionamentos e comunicação

Quando as pessoas se sentem ouvidas e respeitadas, a confiança mútua se fortalece. Isso cria um ambiente em que a comunicação aberta e transparente é incentivada, e os conflitos são resolvidos com serenidade.

Estimula a ética

Quando os funcionários têm a coragem de discordar de práticas questionáveis, eles contribuem para a construção de uma cultura organizacional mais ética. Em tempos em que a governança, um dos pilares do ESG, é tão importante, a integridade de uma empresa e sua reputação frente a clientes, parceiros e a sociedade é um ativo estratégico. 

Mas qual a melhor forma de discordar?

As empresas devem incentivar uma cultura de abertura à discordância e abrir canais para que os indivíduos desenvolvam essa habilidade como parte de seu conjunto de competências profissionais. 

Em 2008, o investidor, programador e escritor britânico Paul Graham criou uma matriz para facilitar o entendimento na hora de se colocar com uma visão diferente em uma discussão. 

Confira:

 

Para receber mais dicas siga nossas páginas no Instagram e no LinkedIn. Confira outros artigos no blog da Pyou