Hoje, um dos desafios dos líderes de recursos humanos é atender as demandas da geração Z. Aos poucos, os jovens se tornam mais numerosos nos postos de trabalho e, com as recentes transformações do mercado, trazem metas diferentes de outros tempos. 

Entender o que eles falam sobre o trabalho é o primeiro passo para oferecer novas soluções. E se há um lugar em que os jovens estão conversando é nas redes sociais. 

Recentemente, o TikTok, que ficou conhecido pelas danças, começou a reunir tendências e debates sobre trabalho. Sempre do ponto de vista da geração Z, é claro. Um levantamento feito pela empresa Workamajig, fabricante de software de gerenciamento de projetos, listou alguns desses temas. 

Trouxemos neste artigo os principais termos, alguns que aparecem também em plataformas profissionais como o LinkedIn. 

Quiet Quitting

Desde a pandemia de covid-19 essa é a principal tendência. Em tradução livre significa “demissão silenciosa”, mas o ponto central dessa expressão é que os profissionais assumem não fazer nada além da obrigação.

Act your wage

Na esteira de fazer apenas o combinado, o termo é um jogo de palavras com a expressão “act your age” que, para nós, significaria algo como “aja de acordo com a sua idade”. No caso, “wage” significa salário e a expressão é uma forma de dizer que os profissionais não farão nada além do que está definido em contrato e com o que ganham no fim do mês.

Quiet Hiring

Em contraposição à “demissão silenciosa”, o “quiet hiring” é a “contratação silenciosa”. Mas nesse caso, a expressão diz mais sobre a atitude dos líderes que, em vez de trazer um novo profissional para a equipe, gradativamente vão pedindo novas tarefas para que um mesmo indivíduo execute mais do que sua função. Porém, sem aumento de salário. 

Bare Minimum Monday    

A segunda-feira mínima (bare minimum monday) foi criado pela influenciadora Marisa Jo Mayes. O ponto central é atenuar o choque do fim de semana com o início frenético do primeiro dia útil. O objetivo é fazer essa transição de maneira mais gradual, evitar o estresse e a tensão no domingo antes do retorno ao trabalho. 

Career Cushioning

Com a onda de demissões em massa, os profissionais procuram ter outras oportunidades engatilhadas caso percam o emprego. É o que se chama de “amortecimento de carreira”, a fim de evitar um problema maior com uma dispensa repentina. 

Boomerang employee

O funcionário bumerangue talvez não seja uma ideia tão nova, mas a prática talvez tenha ganhado mais adeptos nos últimos anos. É o funcionário que deixa seu emprego, mas volta porque não se adaptou em um novo trabalho ou para conseguir um aumento de salário. 

Em busca do equilíbrio

Quando olhamos para esses termos que se popularizam nas redes sociais, há uma demanda específica que se sobressai: o equilíbrio entre vida pessoal e profissional. As redes sociais proporcionam um espaço para que os jovens encontrem apoio, encorajamento e dicas práticas para lidar com o estresse e as demandas do trabalho. 

Além disso, ela mostra uma preocupação social que não é restrita à geração Z: a saúde e o bem-estar profissional. 

É bom lembrar que nas redes sociais toda comunicação ganha mais impacto. Exageros à parte, é possível considerar que a flexibilidade, uma comunicação eficiente, a possibilidade de evolução de carreira e de desenvolvimento de novas habilidades são estratégias eficientes para reduzir o descontentamento dos jovens. 

Para receber mais dicas siga nossas páginas no Instagram e no LinkedIn. Confira outros artigos no blog da Pyou