Quando uma palavra começa a ser repetida demais, muitas vezes seu significado pode se distanciar da origem. Por isso, antes de qualquer coisa vamos definir o que são as letras do ESG (do inglês, Environmental, Social and Governance).

A tradução da sigla ESG contempla três pilares: Meio ambiente, Social e Governança. 

O real significado do ESG

Ainda que o ESG possa soar apenas como sinônimo de ações voltadas ao meio ambiente, o termo contempla questões sociais, como diversidade e inclusão e de governança, com princípios éticos e de responsabilidade. 

Outro ponto que pode gerar confusão é sobre quais empresas podem se adequar ao ESG. Embora tenha sido criado no mercado financeiro para medir as ações de compromisso social e sustentabilidade nos resultados das companhias, isso não quer dizer que só grandes empresas podem adotar essas práticas. 

Pequenas e médias empresas muitas vezes fazem parte da cadeia de uma grande empresa e podem ser cobradas por ações de sustentabilidade e governança. Além disso, não é apenas o mercado financeiro que está de olho nessas práticas. 

De acordo com uma pesquisa do Instituto Locomotiva e da consultoria CAUSE, 48% dos entrevistados afirmam que sempre optam por comprar de empresas apoiadoras de causas. Percentual 7% maior do que há três anos.  Mais impressionante é que 76% dos entrevistados aceitam pagar um pouco a mais por produtos de empresas envolvidas com causas socioambientais. 

Para os profissionais de RH, a preocupação também é pertinente. Dados da pesquisa Global Impact at Scale mostram que 76% das empresas questionadas têm planos de se integrar totalmente com as práticas ESG em até 5 anos. 

Por isso, é preciso entender de que forma a área de recursos humanos pode colaborar para que as empresas estejam alinhadas ao ESG. 

Adoção e disseminação do propósito

Atualmente o propósito é essencial para qualquer empresa. Porém, ele precisa ir além de campanhas publicitárias. Se uma organização não realiza aquilo que propaga, o efeito é contrário. Vai gerar desconfiança, perda de credibilidade e afetar a retenção de talentos e a atração de novos profissionais. Um dos papéis do RH é ajudar a escrever um propósito claro, que contemple os valores da empresa e que seja capaz de engajar e mobilizar os profissionais. No dia a dia, é preciso garantir que as pessoas vivenciem esse propósito e, dessa forma, ele se reflita para os parceiros e consumidores. Dessa forma, o propósito será também um elemento para fortalecer a produtividade e os resultados de negócio. 

Engajar lideranças

Em qualquer uma das frentes que a empresa busque se engajar com o ESG, é impossível que haja sucesso sem o envolvimento genuíno das lideranças. Portanto, o setor de recursos humanos colabora com pesquisas sobre o tema nas empresas, ajudando a compreender quais áreas precisam ser priorizadas e envolver diferentes partes da organização. O RH também pode trabalhar junto aos líderes as práticas de uma liderança inclusiva, com tratamento horizontal, em que sejam respeitadas as individualidades de cada profissional, com respeito aos códigos de ética da empresa. 

O compromisso social

A letra que diz respeito ao “social” é onde o RH está mais envolvido. Mais do que enviar uma mensagem simpática ao mercado, o objetivo é cuidar sobre como a empresa se relaciona com seus colaboradores, stakeholders, clientes e as comunidades envolvidas. Por isso, criar programas de inclusão nos processos de recrutamento e seleção e assegurar que a igualdade de condições seja uma prática no cotidiano da organização também é papel da gestão de pessoas. Outras formas de assegurar a sustentabilidade social é ter atenção às práticas dos direitos humanos e trabalhistas, às condições de trabalho de todos os funcionários, saúde, segurança e proteção de dados. 

Fortalecer a marca empregadora

Se há empresas que divulgam boas práticas que nem sempre praticam, o inverso também pode acontecer. É um desperdício quando uma organização se integra de forma efetiva ao ESG, mas não utiliza essa vantagem competitiva em suas descrições e anúncios de vaga, em suas mensagens nas redes sociais ou nas entrevistas e eventos que participa. Cuidar para que as práticas adotadas sejam percebidas por todos os funcionários, façam parte da integração dos recém-contratados e estejam presentes nas comunicações da empresa é uma responsabilidade e tanto para quem trabalha com recursos humanos. 

Para receber mais dicas siga nossas páginas no Instagram e no LinkedIn. Confira outros artigos no blog da Pyou