A capacidade de tomar decisões é uma das principais habilidades para líderes. Quando são efetivas aumentam a produtividade dos funcionários, minimizam danos em crises, reduzem conflitos e criam um ambiente de confiança na equipe. 

Muito se fala da importância da coleta de dados para definir os rumos do negócio de uma empresa e claro que isso é importante. Porém, quando falamos de gestão de pessoas, sem a inteligência emocional é praticamente impossível fazer as melhores escolhas. 

Uma pesquisa da empresa Momentive apontou que 325 dos líderes sêniores usam a intuição na hora de decidir. No entanto, inteligência emocional é mais do que isso. Ela envolve autoconhecimento, comunicação verbal e não-verbal, relação interpessoal e gerenciamento de estresse. 

É importante criar processos e exercitar habilidades que ajudam a fazer a melhor escolha. Veremos a seguir as principais etapas.

Veja também no blog: o que os recrutadores mais buscam nos líderes

Pesquise

Tenha em mãos todas as informações necessárias. Se você precisa escolher um novo vendedor, entenda quais as habilidades necessárias para atuar com as equipes e os clientes da empresa. Entenda os pontos críticos a serem melhorados e aqueles que já funcionaram. A pesquisa é a base de qualquer planejamento. 

Pergunte a você mesmo

Entenda seu momento pessoal, de que forma essa decisão impacta seus próximos passos e como suas emoções podem influenciar sua decisão. Pergunte a si mesmo quais são as prioridades. Uma vez identificados os principais problemas, tente “dormir com eles”. Tomar uma decisão de cabeça fria evita que a espontaneidade atrapalhe seu julgamento.  

Conecte-se com os valores 

Se você tem claro quais são os seus valores, qualquer decisão tende a ser mais fácil porque elimina alternativas que não estão em sintonia com o que você acredita. No caso de uma empresa, a lógica é a mesma. Na hora de contratar, promover um líder ou até mesmo desligar uma pessoa, entender qual decisão terá mais a ver com os valores da organização ajuda a iluminar o caminho e eliminar opções.  

Converse

Sabe aquele conselho de que é sempre bom ter uma segunda opinião? Vale para tomar uma decisão no trabalho. Talvez até um terceiro ou quarto ponto de vista sejam valiosos. É certo que muita gente já passou por situações semelhantes àquela que você está vivenciando e colegas ou superiores podem trazer contribuições. Compare com suas percepções e tire sua conclusão. 

Tenha um plano

Se você já refletiu sobre a situação, identificou e analisou as opções, avaliou e priorizou o que vem primeiro, é hora de estabelecer qual a melhor forma de se comunicar e agir. Trace um passo a passo e execute. A forma que você define para implementar sua decisão influencia diretamente no resultado lá na frente.

Uma pesquisa da revista norte-americana Psychology Today revelou que investir em inteligência emocional colabora para retenção e redução de turnover, na produtividade e no desempenho das equipes e no engajamento. Além de colaborar para um ambiente mais saudável, ela é decisiva na hora de tomar decisões. Então, é bom olhar com atenção para essa habilidade. 

Para receber mais dicas siga nossas páginas no Instagram e no LinkedIn. Confira outros artigos no blog da Pyou