Como se preparar na hora de voltar para os escritórios

O que muda na volta ao escritório

Foi do dia para noite que as empresas precisaram lidar com a necessidade do trabalho remoto. Não havia como negociar um prazo para a transformação do modelo. Como em toda mudança, houve estresse e aprendizados e, ao que tudo indica, nada será como antes da pandemia.

Quando se fala da volta para os escritórios, a situação é um pouco diferente. Ela não será brusca como foi o isolamento. O ritmo da vacinação e o controle da transmissão da doença vão determinar um regresso bem mais gradual aos postos de trabalho. Mas, além das questões sanitárias, há outros fatores que as empresas vão precisar refletir enquanto planejam o retorno das atividades presenciais. 

Listamos alguns dos desafios dessa transição para que você já possa aproveitar a chance que nem todos tiveram antes da pandemia de Covid-19: antecipar os movimentos. 

Trabalho remoto é um caminho sem volta

Trabalhar à distância, em casa ou em qualquer lugar, não é mais uma possibilidade. Embora muitos profissionais sintam a falta do contato no escritório e de todas as vantagens que o modelo presencial ainda oferece, a tendência do trabalho híbrido implica que qualquer organização precisa oferecer condições para seus funcionários produzirem bem fora de suas fronteiras. É também essencial na atração de talentos. De acordo com o LinkedIn, a busca por vagas que oferecem trabalho remoto cresceu 60%. A questão sobre o trabalho remoto anda de mãos dadas com a digitalização e pode ser resumida em uma pergunta: qual empresa sobreviverá sem tecnologia? 

Seguimos trabalhando com pessoas 

Uma das preocupações de gestores e líderes é como garantir que os processos funcionem e os projetos fiquem em pé. Para isso, as preocupações mais comuns são para que informações circulem bem e também sobre como tomar decisões e influenciar nas ações dos colaboradores à distância. Contar com uma estratégia adequada na hora da contratação e processos eficientes de onboarding será decisivo para ganhar tempo. Aliás, tudo indica que o tempo também vai ajudar para que esse fator deixe de ser um obstáculo. O problema não é necessariamente o modelo, mas o hábito das pessoas com a nova formatação do trabalho. Como a mudança foi muito rápida, muitos profissionais e companhias ainda não estavam totalmente preparados e é natural que com a adaptação, algumas dessas barreiras se tornem coisa do passado. Outras, ainda precisarão ser treinadas e desenvolvidas. 

A nova onda dos escritórios

Espaços que ofereçam condições de trabalho colaborativo e ambientes que estimulam a criatividade devem ganhar força principalmente porque estas são duas das mais importantes atividades que se beneficiam do modelo presencial. Depois de tanto tempo, faz ainda menos sentido encontrar pessoas isoladas e sem falar com ninguém no trabalho. Por outro lado, sabemos que há momentos em que é preciso se concentrar e os escritórios também vão precisar de espaços mais reservados. Muito além da arquitetura, estão também questões comportamentais que os líderes devem se atentar. Para os mais jovens, as principais demandas pouco têm a ver com áreas de lazer e entretenimento no trabalho, como a famosa mesa de ping pong. Segundo estudo da Universidade do Kansas e do Instituto de Liderança da Universidade do Missouri, o que mais importa para profissionais com menos de 35 anos é a valorização e o respeito no dia a dia.

Treinamento e capacitação 

A capacidade de aprender coisas novas sem dúvida é uma soft skill dos novos tempos e as empresas procuram cada vez mais profissionais com essa habilidade. Cabe a elas também oferecer condições para que seus talentos se adaptem às mudanças e evoluam rapidamente para uma volta aos escritórios que não deverá simplesmente colocar as coisas no mesmo lugar que estavam antes. Além de treinar profissionais com novas ferramentas e tecnologias, também é fundamental a capacitação em competências de comunicação e gestão, além de avaliações e estratégias bem definidas no desenvolvimento e promoção dos talentos da empresa. 

Confira também por que o RH digital veio para ficar

Para receber mais dicas siga nossas páginas no Instagram e no LinkedIn