5 tendências para atrair e recrutar profissionais para sua empresa

Apesar do alto nível de desemprego mundial, a dificuldade para encontrar talentos existe no mundo todo. Novas tecnologias, transformações do mercado e muitas inovações nos negócios exigem cada vez mais especialidades e habilidades específicas para desempenhar um bom papel em cada função. Além disso, competências comportamentais também são necessárias para cumprir as metas e devem estar de acordo com a cultura organizacional da empresa. 

Neste contexto, é importante que o recrutador saiba quais são as tendências para atrair e recrutar talentos. Não apenas um profissional bem qualificado e competente, mas aquele que se encaixa perfeitamente na estrutura da companhia.

Com a pandemia e a necessidade muito mais rápida de se adaptar, alguns conceitos ganharam força e são decisivos para trazer ou manter aquele profissional que faz a roda girar. 

Humano, cada vez mais humano

Empatia não se tornou uma palavra tão repetida no mundo corporativo por acaso. A necessidade de compreender o profissional além do ambiente de trabalho é um diferencial para liderar e também para saber qual profissional tende a desempenhar melhor em uma determinada empresa, cargo ou modelo de trabalho. Por isso, as empresas devem seguir atentas às necessidades tradicionais como salário e benefícios, mas também garantir uma boa experiência aos funcionários oferecendo bem-estar e capacidade de planejar suas carreiras, além de ter um propósito bem definido. Outro ponto fundamental é oferecer feedbacks periódicos personalizados. 

Um propósito além das palavras

Não basta apenas ter um propósito bem escrito no texto de boas-vindas do profissional. Fazer é melhor do que apenas dizer. Cada vez mais, os talentos esperam coerência entre a teoria e a prática do propósito nas organizações. Quando não há esse alinhamento, a tendência é que o profissional se desmotive mais rápido e comece a não se sentir parte da cultura da empresa, o que estimula os funcionários a buscarem outras oportunidades em lugares que possuam as condições ideais para que eles possam trabalhar com mais identificação e, assim, alcançar seu melhor desempenho.

Gente gosta de gente

Embora as tendências em utilizar novas tecnologias no recrutamento sejam uma realidade, é importante que as empresas saibam alternar o uso de máquinas com a habilidade em criar conexões humanas autênticas. É possível, por exemplo, utilizar novas ferramentas para uma comunicação eficiente, mas os feedbacks precisam ser personalizados e adequados para cada profissional. De acordo com pesquisa da PwC, 60% dos profissionais gostariam de receber feedback diariamente ou semanalmente. Outra tendência é o equilíbrio entre vida e trabalho. Pesquisa realizada na França pelo instituto Opinionway mostrou que no início da pandemia 48% dos trabalhadores em home office se sentiram “abandonados” pela empresa. Evitar a sobrecarga e ter uma política de horários e locais flexíveis podem ser alternativas para promover um balanço saudável sem atrapalhar o desempenho. Além disso, há outro fator estratégico para humanizar a área que vem a seguir. 

Diversidade

Uma das principais preocupações da geração Z é com a diversidade. Se antes era apenas uma recomendação, agora contar com equipes diversas é obrigação. E esse é um caminho que exige uma mudança mais profunda na cultura de muitas empresas, várias delas que passaram décadas com um perfil mais ou menos linear de colaboradores. Um estudo publicado pela Harvard Business Review mostrou que nas empresas onde houve investimento em diversidade a chance de conflitos entre os funcionários caiu 50%. E não é preciso muito esforço para constatar que menos conflitos no trabalho é um incentivo para que as pessoas permaneçam. 

Flexibilidade

De acordo com pesquisa da consultoria Mercer, para 78% dos líderes a flexibilização foi a responsável pelo maior impacto na rotina dos funcionários. Um impacto que não deverá sair de cena tão cedo porque para outro estudo, da Oxford Economics e pela Society of Human Resources Management (SHRM) 76% das empresas acreditam que a flexibilidade no ambiente de trabalho é uma prioridade máxima para atrair e reter talentos. Mas é importante ressaltar. Flexibilidade não significa apenas poder trabalhar de casa. Ela também impacta não só no “onde” o funcionário trabalha, mas também “quando” ou “que horas”. A flexibilidade também influencia em como serão definidos os processos, a entrega e decisões estratégicas. 

Para receber mais dicas siga nossas páginas no Instagram e no LinkedIn